quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Um pouco mais sobre o Haiti



"A ilha foi descoberta por Cristóvão Colombo em 1492. Já no fim do século XVI, quase toda a população nativa havia desaparecido, escravizada ou morta pelos conquistadores.

A parte ocidental da ilha, onde hoje fica o Haiti, foi cedida à França pela Espanha em 1697. No século XVIII, a região foi a mais próspera colónia francesa na América, graças à exportação de açúcar, cacau e café.
Após uma revolta de escravos, a servidão foi abolida em 1794. Nesse mesmo ano, a França passou a dominar toda a ilha. Em 1801, o ex-escravo Toussaint Louverture tornou-se governador-geral, mas, logo depois, foi deposto e morto pelos franceses..."
Entre 1915 e 1941 o Haiti viveu sob a intervenção e depois a ocupação dos EUA.
O Haiti viveu um dos períodos mais dramáticos da sua existência moderna sob uma das ditadura mais brutais da América latina a de François Duvalier o Papa Doc entre 1957 e 1971 continuada pelo seu filho Jean Claude Duvalier, o Baby Doc, até 1986. Em 1990 em eleições livres o padre Jean Bertrand Aristide chega a presidente. Foi a esperança da democracia mas meses depois um golpe militar repôs a "normalidade" deste desafortunado país, nova ditadura. Aristide regressa em 1994 . A situação melhorou mas não muito. Em 2004 é obrigado a fugir

O Haiti em números:
Superfície: 27.750 km2, menos de 1/3 da área de Portugal, 28 % de terra arável.
9 milhões de habitantes. Idade média da população 20 anos (Portugal, cerca de 40 anos) 95% de pretos e 5% mestiços e brancos. 80% católicos 16 % protestantes,
Língua oficial, o Francês, fala-se crioulo.
O Haiti é o país mais pobre do hemisfério ocidental com 80% da população a viver abaixo do nível de pobreza (Portugal em 2006: 18%) e 54% numa miséria degradante.
Independência: 1 Janeiro 1804 (da França)
PIB - per capita 1,3 dólares em 2008 (Portugal 22,2 dólares em 2008).
Telemóveis 3.2 milhões (2008) (Portugal 14,91 millhões em 2008).
Utilizadores da internet 1 milhões em 2008 -( Portugal 4,5 milhões em 2008

Fonte: The World Factbook.

1 comentário:

JOSÉ MODESTO disse...

O ÓBVIO...

Sabendo que o novo Terminal de Cruzeiros de Leixões é já uma realidade, porque
não a passagem do Metro nas imediações!!!

Saudações Marítimas
José Modesto