segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Compromissos são compromissos!

Os 'Morangos com Açúcar' são, seguramente, um dos mais exemplares casos de tele-lixo com que se corrompe a juventude portuguesa. Aí ensina-se a má-criação de filhos com os pais, a indisciplina dos alunos nas escolas e todo um manual de regras de dissolvência da família, da escola e da própria amizade e sã camaradagem.


Parece que agora a TVI teve, porém, o bom senso de cortar uma cena de beijinhos gay, que a rapaziada activista lá do sítio queria explorar e, com sorte, daqui a uns tempos ver integrada nos currículos escolares, à semelhança do que, incompreensivelmente, já vai sucedendo com a dita série.

Cenas como a que este cartoon revela, não sabemos se por lá se passam.

Mas, aqui fica, em jeito de adivinhação uma hipótese razoavelmente forte.

E é até pedagógica: alerta-nos para o dever de respeitarmos compromissos assumidos…

Costinha, Director Desportivo? Mas de quê, afinal?

Este infeliz, aí em cima numa fotografia que ilustrava uma notícia, há uns dias, para mostrar serviço a quem lhe paga, achou normal afirmar publicamente o seu sportinguismo, proclamando-se como antibenfiquista ... e continuar a chamar-se director desportivo.

Nem a circunstância de ser adepto dum grande clube que este “ministro “já serviu – e bem – me impede de lhe dar esta “canelada” ainda por cima sendo - segundo a legenda da fotografia - um “ministro” com mão de ferro, senhor de 50 fatos e um Lamborghini amarelo... mas que, pelos vistos, ainda não encontrou uma loja em que se venda recheio decente... nem para os fatos, nem para o carro e, muito menos para a cabeça.
Que Deus lhe perdoe….

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Cristiano Ronaldo: Ascenção e apogeu. Para quando a queda?

Aqui, no Mar de Matosinhos, não costumamos fazer futurologia.


Mas, a nossa avançada idade, conduz-nos a “ler”, no passado, hipóteses futuras.

Já vimos o fim triste de talentos futebolísticos do quilate do madeirense Cristiano Ronaldo, só que bem mais úteis à selecção que representavam.

Cristiano Ronaldo é – para alguns mentecaptos - um menino de ouro!

Para além de valer já bem mais do que o seu peso, no dito, adora (e faz muito bem!) cobrir a mãe de presentes. Compra-lhe roupas de altíssimo gabarito, oferece-lhe automóveis de centenas de milhares de Euros, instala-a em (sucessivas) casas milionárias, da Madeira ao Algarve...

Quiçá, farta de usar roupa desportiva que lhe fica mal, cansada de tanto carrão que mal consegue conduzir, esfalfada de tanto tentar usar as casas todas ao mesmo tempo... Dona Dolores Aveiro terá desabafado que o que mais gostaria era que ele lhe “desse” era um netinho – isto a ser verdade o que por aí corre e que ninguém se dá ao trabalho de desmentir, nomeadamente em relação ao facto de Ronaldo ter recorrido a uma “barriga de aluguer” e aos números envolvidos no negócio.

E se bem Dona Dolores o disse, melhor o seu menino de ouro o fez: foi “comprar” um filho... e deu-o à mãe, para ela se entreter.

O alegado talento do jogador deveria, urgentemente, ser acompanhado por algumas pessoas com dois dedos de testa... sob pena de o vermos acabar como tantos outros antes dele, cheios de talento (Garrincha, Vítor Batista, etc., etc., etc... mesmo o Maradona).
Daqui a uns anos falaremos!

terça-feira, 22 de junho de 2010

O Tacho a quem o merece!

O ex-ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações é o novo presidente do conselho fiscal das companhias de seguros do grupo Caixa Geral de Depósitos, que era ocupado pelo falecido Saldanha Sanches.

Até que enfim!
Estava a ver que nunca mais acertavam com um tacho, perdão, com um cargo, à medida do talento de Mário Lino!
Então os gajos não tinham ainda reparado que o senhor engenheiro civil é um verdadeiro especialista em fiscalidade? Uma sumidade, com obra publicada, reconhecido em todo o mundo e até em vários restaurantes... e “extensivamente” capaz para este cargo?
Fosse o senhor engenheiro civil Lino, licenciado no Instituto Superior Técnico, engenheiro civil, mas licenciado na Universidade Independente com a especialidade de “inglês técnico” de domingo... e seria capaz de tudo!
Assim... é apenas capaz de quase tudo.

domingo, 13 de junho de 2010

Entendem estes gajos? Então expliquem-nos por favor!

Segundo “A Bola”, Almeida Santos diz que «relatório da Comissão de Inquérito é político».


Segundo a Renascença, «o primeiro ministro sabia quando disse que não sabia».

Segundo a “RTP”, «Sócrates “conhecia” a intenção da PT em comprar a TVI».

Segundo o “JN”, João Semedo diz que «não foi possível provar que o primeiro ministro mentiu»...

Segundo o “SOL”, o «relatório conclui que Sócrates mentiu ao Parlamento»… o que leva o mesmo Sócrates - segundo a Renascença, a criticar duramente o relatório, garantindo que «a única conclusão que se pode tirar é que disse exactamente a verdade no parlamento».

sexta-feira, 11 de junho de 2010

"Pedir às vítimas para ajudar os carrascos..."

Quem se coloca a si próprio na pouco invejável situação de ouvir, mesmo que com bastantes “intervalos”, os discursos cometidos em cerimónias como esta do 10 de Junho, não pode depois queixar-se. São rigorosamente aquilo que se espera. Discursos soporíferos, redondos, pretensiosos, “patrioteiros”, manhosos.

Do sociólogo Barreto, o tal que diz orgulhar-se acima de tudo de ter contribuído para a destruição da Reforma Agrária, direi simplesmente que não foi com o discurso de ontem que arranjou novo motivo de orgulho. Aquilo foi uma coisa penosa! Para explicar uma coisa simples, mas que ele deve ter muito mal resolvida no cérebro já um pouco despenteado, a ideia de que os soldados que cumpriram o seu serviço militar na guerra colonial não ficaram por isso equiparados aos colonialistas nem aos “pides”, nem ao regime que os enviou para a guerra, não sendo portanto legítimo (salvo excepções) que sejam olhados de lado... para explicar esta coisa tão simples, como dizia, andou para ali às voltas, repetindo as mesmas frases vezes sem conta, enrodilhado em justificações e comparações inúteis.
Poderia, sei lá... ter-se lembrado de que os “velhos militares de Abril” foram todos (ou quase todos) “velhos combatentes” na Guerra Colonial...

Quanto à estrela da companhia, Aníbal Cavaco Silva, mesmo sem talento para ler em voz alta nem um menu de restaurante, nem lhe sendo conhecidos grandes rasgos de coragem, mesmo retórica, era de esperar que o seu apurado oportunismo o impelisse a abrir oficialmente, ali, a sua campanha eleitoral.
Enquanto a coisa se ficasse pela “patrioteirada” inconsequente, genérica e apologética dos oitocentos anos de História, do dar mundos ao mundo, do levar a Europa a todo o globo, etc., ou então, num registo mais imediatista, defender a «equidade nos sacrifícios» e a «transparente explicação dos mesmos»... ainda se suportaria, mesmo que cabeceando; mas quando se passa para o tal discurso manhoso em que, a pretexto de uma alegada unidade nacional para vencer a crise tenta vender-se a ideia de que as (tantas vezes) profundas diferenças na luta política, não passam afinal de «querelas partidárias», ou de «quezílias ideológicas», de que é possível e aceitável promover a união de trabalhadores e patrões («pedir às vítimas para ajudar os carrascos», como horas mais tarde diria certeiramente Jerónimo de Sousa), aí o caso muda de figura.
Primeiro, pelo perigo que representa o enorme número de portugueses que, na falta de melhor conhecimento, ainda acha que assim é que devia ser... “deviam era juntar-se todos!”...
Segundo, porque este tipo de discurso, profundamente ideológico, ao contrário do que quer parecer, um discurso em que se quer substituir uma sociedade dinâmica, pensante, dialogante, comprometida, por uma espécie de “lamaçal” em que todos estariam com todos... é o paraíso dos oportunistas, aproveitadores e, no limite, dos “homens providenciais”, aqueles que põe “ordem nas coisas”.
Felizmente, mesmo quando parece que não há outros caminhos... há! E há gente para os fazer, caminhando!